Criar um Blog-Sexy
Meu Blog-Sexy
Denunciar
Próximo Blog
Observadores do Prazer

MEU CHEFE ME CHANTAGEOU

''MEU CHEFE ME CHANTAGEOU''

Às vezes a vida nos prega cada peça... eu penso que nada acontece por acaso. Eu me chamo Angelina, tenho 25 anos e sou casada há cinco anos, tenho convicção plena do meu amor pelo meu marido. No ano de 2005, assim que casamos, meu marido foi transferido pra outra cidade, de supetão, e eu consegui por pura sorte a transferência de meu serviço para mesma cidade. tudo aconteceu rápido. Desde então surgiram às primeiras dificuldades.
A cidade que fomos morar era muito longe das nossas famílias e assim ficamos a mercê da sorte, quero dizer sem ajuda de parentes e com dificuldade de alugar uma casa por falta de fiador. Estávamos morando em uma pensão, e as despesas só cresciam chegando a tal ponto que alguma coisa deveria ser feita. Tudo teria que ser resolvido num prazo máximo de uma semana e então resolvi agir, do meu jeito. Conversei com meu novo chefe, propondo a possibilidade dele ser nosso fiador, afinal, o valor do aluguel poderia ser descontado na folha de pagamento.
Ele sorriu, e vi no sorriso algo diferente, percebi que entrava numa ratoeira.
Já não dava mais pra recuar. Ele foi direto ao ponto.
____ Conhece o ditado, uma mão lava a outra?
____ Como assim? Respondi.
____ Serei o seu fiador, se você me der um desses momentos de felicidade que o seu marido com certeza deve ter com você.
Corei, fiquei pasma. Não acreditava no que ouvia. Senti o chão se abrir aos meus pés.
Que canalha, pensei, quase em voz alta. Nem posso reagir. De qualquer maneira eu estava fodida.
____ Eu jamais trairia meu marido. Eu o amo com todas as minhas forças, disse com a voz embargada,
____ Então fará o que é preciso fazer. E continuou:
____ Eu também tenho meus desejos e alem do mais não é nada assim tão difícil. não teremos envolvimento afetivo. pensou um pouco e voltou a carga:
____ Vou te fazer uma proposta mais concreta. E expôs sua ideia. Eu poderia ficar vestida somente com um vestidinho leve e pretinho que ele mesmo se incumbiria em me dar de presente. Poderia ficar de costas e no escuro. ele faria o serviço por traz e depois de satisfeito iria embora e me deixaria em paz pra sempre. poderia inclusive pagar metade de meu aluguel, dando como abono no meu pagamento.
____ Você pensa e depois me dá a resposta. Sabia que eu não dispunha de tempo. Estava desconsolada e só tinha pensamentos ruins. Fui pra casa e vi que a nossa situação estava no limite. Meu marido já pensava em se demitir do emprego e voltarmos todos pra casa. Isso seria o nosso fim. Passei a noite pensando e optei pelo único caminho. Aceitar a proposta. No dia seguinte fui até a sala do meu chefe e com lágrimas nos olhos dei o sim. Ele se ergueu da cadeira e como um pseudo-cavalheiro me confortou. Levou-me em seguida pra chácara dele nos arredores da cidade. chegando, assim que entramos, ele me ofereceu um embrulho, sem perguntar o que era foi a um dos quartos pus o vestidinho preto de tecido leve, bem vaporoso e bem curto também. Sentia-me uma prostituta. Abri a porta do quarto e ele entrou de roupão e todo perfumado. Era um homem bonito, de 45 anos, alto e bem malhado. Ele entrou apagou a luz e na penumbra me guiou até a poltrona de leitura.
Estava trêmula, gelada e completamente apavorada.
____ Ah! Se eu tivesse um décimo desse amor que você sente pelo seu marido...
____ Eu seria o homem mais feliz do mundo. Dito isto, me apoiou no encosto da poltrona, ergueu vagarosamente o meu vestidinho e apalpou minha bundinha. Arrepiou todos os meus poros, meus pelos eriçaram. Senti algumas gotas quentes de xixi escorrer pelas minhas pernas. Apertei os olhos e senti um volume enorme entrando entre minhas pernas.
____ Afasta as coxas um pouco, pediu-me. atendi de pronto. Pincelou minha bundinha desde o rego até a bucetinha. Notei uma grande diferença entre a pica dele e a do meu marido, a grossura.
O que eu sentia deslizando pelo meu reguinho era algo descomunal. Senti um desejo maluco de virar pra trás pra olhar de perto. Fiquei tensa, ele segurou-me pelos quadris me tirou do chão e me esfregou em seu púbis me deixando escorregar e depois posicionou a glande do cacete na entrada da minha bucetinha e forçou. Ela estava seca e eu senti o baque, gemi. Ele então retirou, untou com vaselina líquida, que eu havia visto encima da cama e investiu de novo. Deixou deslizar um pouco, até toda a cabeçorra do membro entrar. Agarrou pela cintura me tirou novamente do chão e me meteu o ferro. Desta vez a estocada foi um pouco mais forte. Dei um gemido alto.
____ Ai. Doeu, disse. ele ignorou meu apelo, pendeu na quina da poltrona, entrou no meio das minhas pernas. Abraçou-me com mais desejo e enterrou o resto da vara aos trancos.
____ Me arrombou, pensei. Solucei. Aquela vara parecia um trem de ferro. Nunca mais parava de entrar. Que diferença de meu marido.
O do meu marido tem uns 13 cm e nem é tão grosso. Mas esse tem um palmo ou mais, imaginei. Foi ficando gostoso e comecei a melar e lubrificar ainda mais aquela pica, que entrava e saia sem parar. Não resisti e...
____ Me come na cama, de frente, me come mais. Ele então sem me tirar da vara foi me pegando no colo me depositou de bruços na cama. Torceu o meu corpo. Obrigando-me a virar de barriga pra cima, passou uma de minhas pernas pro outro lado e me fez de franguinha assada e continuou a me envarar. Parecia que eu nunca havia dado. Até então eu não sabia o que era meter de verdade. Tornei-me uma biscatinha, pensei com certo remorso. Senti que ele iria gozar e pra impedir que ele gozasse dentro de mim, afoita, pedi:
____ Põe na minha boca. E ele veio pra mim e tentou enfiar na minha boquinha. Mal cabia. A custo, consegui deglutir aquela cabeçorra. Senti as esguichadas de porra na garganta. Cheguei engasgar. Passei um tempo acariciando aquele membro, medindo, reconhecendo aquele terreno antes inóspito. Agora um dilema:
____ Como viver sem aquela pica de agora pra frente? apertava o saco. Palhetava o pênis de alto abaixo. De repente ele retoma o vigor físico, enrijece novamente. Meu chefe me pega de jeito, me põe novamente de bruços, chega dois travesseiros embaixo de minha xoxota, bate com o varão na minha bunda, acaricia meu róseo botãozinho, untando com mais vaselina. Antevendo o que viria, agarrei a cabeceira da cama. Pedi proteção dos céus, pensei na minha santa mãezinha e apertei os olhos e tentei abrir o rabinho, fazendo força pra abrir o cuzinho. Sabia que a minha vida nos próximos minutos seria de angústia. E nem foi. O homem era cátedra no assunto rabo. Com a pontinha do dedo untou meu ânus com anestésico e foi massageando e enfiando mais, adentrando as preguinhas que iam relaxando e abrindo como se abre um botão de rosas.
Quando eu estava me acostumando com aquelas carícias, senti o monstro do pau me ferrando. Entrava lento, centímetro a centímetro e eu rebolava na cama. Nem tanta dor assim. Mas o prazer era imenso, eu me desmanchava em lágrimas e gozo. Nunca imaginei que vara na bunda fosse tão bom. E era. Não sei se todas. Mas aquela era.
____ Me fode, me enterra tudo.
E o ferro entrava sem dó. Entrou todo. Senti os seus bagos me roçando a xaninha e eu gemia. Eu chorava, pensava:
Assim vale a pena ser mulher. Mulher é pra isso mesmo, pra ser fodida. A melhora coisa da vida. Levar vara de um homem como este.
Ele ia me mudando de posição e me metendo a vara. Mudava de lado e eu levava ferro. Metia sem dó nem piedade. Sem mais nem menos parou. Com eu atolada na vara até o cabo, senti uma estocada violenta com todas as forças que ele tinha. Pensei que o saco estava entrando em minha bunda. De repente... Gozou.
____ Ai ai! Senti o jorro quente em minhas entranhas. alcançava a boca do estômago. Soltei o corpo, tranquei o cuzinho, prendi o cacete dele nas minhas preguinhas. Ele ameaçou tirar o pintão da minha bunda, mas eu não deixei.
____ Deixa ele assim atoladinho, esta tão gostoso...
____ Assim ele não amolece nunca. Falou ele.
____ Volta e meia você me dá umas fodidazinhas. Ri, ele riu, rimos os dois. estávamos felizes. Eu estava toda fodida, mas feliz. Dormimos assim abraçadinhos.
Meu marido que me desculpe. Que me perdoe. Mas essa vara agora é só minha...

02:36 - 7/4/2013

Última Página Próxima Página
Perfil
Olá Pessoal, Meu Nome é Marcus Antonio sou da cidade de Maringá, Casado tenho 35 anos... "Sou um observador que navego nas noites frias e escuras, enquanto todos dormem, eu fico acordo, e a fumaça de um cigarro queimando..."

«  September 2014  »
MonTueWedThuFriSatSun
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930 

Home
Perfil
Arquivos
Amigos
Blogspot
Tumblr
Masturbationation
Facebook
Damas da Noite

Últimos Posts
- Pensando em vc..
- COM A MAE DA MINHA AMIGA
- Loira gostosa da faculdade
- Aluna e Professor
- Fábio o Negão.
- Priscila Casada
- Trai meu noivo com quatro.
- Secretária
- Desvirtuando
- No cu, não!
- PADRE EU PEQUEI
- MINHA IRMÃ E MEU CUNHADO
- MEU MARIDO ME ARRUMOU UM AMANTE
- MEU CHEFE ME CHANTAGEOU
- A vida é uma Surpresa!
- Minha primeira vez com uma mulher.
- Ele fez o que quis comigo , adoro !
- Minha Instrutora da academia
- Conto thurmic
- Foste uma das minhas melhores fodas.
- Gosto dos tímidos.
- A VIZINHA CASADA
- PRIMEIRO ORAL E ANAL
- A gravidez mais impossível do mundo.
- Publico
- NA PRACINHA
- Melhor conto de todos
- Minha Primeira Vez
- VIRGINDADE PERDIDA A 3
- Safadinhas.
- Comendo a cunhada
- Adrielle 19 anos - Contos Eroticos
- Carol 21 anos - Contos Eroticos
- A amiga gostosa
- Feliz aniversário Papai
- O Padre do Diabo
- Comi minha sobrinha usando o MSN
- Esposa dando pra dois
- Minha Cunhadinha
- Nunca iria imaginar, mais gostei
- Minha esposa se entregou pra outro Homem
- Ciumes
- Dando o cú a primeira vez e última vez!
- Meu castigo.
- Sanduíche de Putinha
- Minha primeira vez.
- Fui putinha no cinema.
- Vick e Gabs: Nossa primeira vez
- Supresa no Consultório Medico
- Comi a Cliente Gostosa e Casada

Amigos
- luanasex
- Raquel69
- Adrianasp
- MaySexy